A LENDA DE SANTA SARA KALI

Conta a Lenda que Sara era uma escrava egípcia que pertencia a José de Arimatéia, este empresta Sara para as Marias (Maria Jacobé, Maria Salomé, Maria Madalena) para ajudá-las nos afazeres da casa, até porque as Marias cuidavam de Jesus e dos Apóstolos e quanto mais ajuda melhor.

Sara passa então a viver com as Marias e com Jesus, ouvindo os seus ensinamentos, as suas pregações que lhe despertaram a fé. Esta convivência continuou até a crucificação de Jesus, e Sara permaneceu na casa com as Marias.
Preciso aqui abrir um aparte, porque os cravos da crucificação de Jesus foram impostos pelos romanos para um ferreiro cigano fazer, porque os outros ferreiros se recusaram.
O Cigano Jacó os fez porque toda a sua família foi ameaçada, e ele ainda teve que participar da crucificação, conta a Lenda que o Cigano Jacó, chorando muito pediu perdão a Jesus, e disse ao Mestre:

- Meu Povo não vê maculas em ti.
Jesus com toda a sua misericórdia lhe responde.
- Confie naquela que sairá das águas, esta ajudará muito o seu Povo.

O Cigano Jacó contou aos Ciganos sobre as palavras de Jesus, e estes em suas andanças foram passando a mensagem adiante.

Passados alguns tempos, José de Arimatéia é acusado de se tornar um cristão e ter ajudado a roubar o corpo do Mestre, até porque foi no túmulo da sua família que foi colocado o corpo de Cristo, mas por ele ser rico e ter contribuído com a sua influência a favores aos romanos ele não foi condenado à crucificação, mas foi punido com a expulsão, e esta punição foi da seguinte forma:

José de Arimatéia, seu escravo Trofino, as Marias e Sara, todos foram colocados em uma barca sem remos e sem alimentos, para sofrerem e morrerem em alto mar, e assim foi feito.

A Lenda conta que durante os sofrimentos que todos passaram, estando em Alto Mar, sem nenhuma provisão, todos entraram em desespero, mas Sara foi a que manteve a sua Fé e em meio a todo este tormento ela se ajoelhou na Barca e começou a pedir ao Mestre.
"Que se fosse do merecimento de todos, que a Barca aportasse em segurança e que todos tivessem o livramento da morte", e "se ela Sara recebesse esta graça, ela seria escrava de Jesus, levaria a palavra do Mestre aonde ela não tenha sido ouvida, e que também usaria um lenço na cabeça para o resto da sua vida, em reverencia e agradecimento pela graça alcançada.

Milagrosamente a Barca aportou em segurança no Porto de Petit Roné, no sul da França, hoje conhecida como Saint Marie de La Mer (Santas Marias do Mar), onde todos foram acolhidos e recebidos pelos pescadores que viram esta Barca aportar.
Somente Sara não foi acolhida pela cor da sua pele, esta ficou na praia, mas ela não ficou só por muito tempo, haviam Ciganos acampados por perto e viram todo o ocorrido, e viram que aquela jovem de pele escura precisava de ajuda, e lembraram que outros Ciganos vindos da Pérsia traziam a mensagem que o Cigano de Nazaré havia contado junto ao seu sofrimento na crucificação do Mestre.

Estes Ciganos rapidamente a acolheram e Sara passou a com eles conviver, e deste então, começa também a contar sobre o Mestre Jesus e suas palavras e pregações.
Sara passou estes ensinamentos com tanto amor, que até hoje para os Ciganos, Jesus é o maior dos Ciganos, porque assim como eles, não tinha moradia fixa, sofria discriminações, mas sempre estava alegre e aceitava as provações postas em sua vida.

Sara não se casou, não teve filhos, viveu para falar sobre os ensinamentos do Mestre e também para ajudar os Ciganos nas suas fugas, porque naqueles tempos sofriam muitas perseguições e Sara com sua fé pedia o livramento ao Mestre Jesus e era atendida.
Sempre mostrava um caminho a seguir para sair daquela situação.

Sara morreu velhinha entre os Ciganos, e estes a enterraram em uma Gruta, em Saint Marie de La Mer, para que todos os Ciganos que passassem por ali, pudessem se lembrar desta jovem que com a sua fé e amor ao Cristo os livrou de muitos sofrimentos.

Após a morte de Sara, as ciganas assim como haviam aprendido com ela, começaram a fazer pedidos, só que eram feitos agora para Sara.
Pedidos para engravidar, sair de situações difíceis, enfim todos os tipos de pedidos, e estes começaram a se realizar, principalmente a gravidez, porque para uma Cigana não ser Mãe é uma verdadeira maldição, e em troca de um pedido realizado as ciganas ofereciam a Sara um lindo Dicló (Lenço) e prometiam levar este lenço até a sua Gruta em agradecimento.

Assim nasce a peregrinação a Gruta de Sara, em Saint Marie de La Mer, Santa Sara é homenageada todo o dia 24 e 25/05 com uma grande procissão dos Ciganos até a sua Gruta para levar os seus Diclós, agradecer a graça recebida, sendo que esta peregrinação acontece até os dias de hoje.

Esta é a minha forma de ver a Lenda de Santa Sara, até porque fui agraciada com uma Graça recebida de Santa Sara, descobri que no meu sangue correm rosas vermelhas, desde então levo a mensagem Cigana, com muito Amor e Seriedade a todos que queriam ouvir.

Sou a Professora Rose de Souza, e no meu Sangue correm Rosas Vermelhas, hoje dirijo a Escola de Baralho Cigano Carmem Romani Sunacai, uma honra que me é dada por este povo que muito me honra com seus ensinamentos e alegria.

Viva Santa Sara Kali, Arribá Povo Cigano.





texto de  Carmem Romani Sunacai
P
ublicação no Jornal Aldeia de Caboclos| Ano 3 | Maio/2013




A VERDADEIRA HISTÓRIA DE SANTA SARA KALI. PARA REFLETIR!!!


A VERDADEIRA HISTÓRIA DE SANTA SARA KALI

Segredo de Maria Madalena

Ela era uma herdeira benjamita destinado a manter uma linhagem sagrada?

Se nossa teoria estiver correta, a criança realmente nasceu no Egito.
O Egito foi o lugar tradicional de asilo para os judeus cuja segurança estava ameaçada em Israel, Alexandria foi facilmente alcançado a partir de Judéia e continha  bem-estabelecidas comunidades judaicas da época de Jesus.
Com toda a probabilidade, o refúgio de emergência de Maria Madalena e José de Arimatéia foi o Egito.
E, mais tarde - anos mais tarde - eles deixaram Alexandria e procuraram um refúgio ainda mais seguro na costa da França.

Estudiosos de arqueologia e lingüística descobriram que nomes de lugares e lendas de uma área contêm "fósseis" do passado remoto dessa área.
A verdade pode ser embelezada por mudanças, e as histórias podem sofrer reduções com o passar dos anos, mas os traços da verdade permanecem em forma fóssil, enterrados nos nomes de pessoas e lugares.

Na cidade de Les Saintes-Maries-de-la-Mer, na França, há um festival a cada dia 23-25 de maio em um santuário em honra de Santa Sara, a egípcia, também chamada de Sara Kali, a "Rainha Negra".
Exame minucioso revela que este festival, que teve origem na Idade Média, é em homenagem a uma criança "egípcia", que acompanhava Maria Madalena, Marta e Lázaro, que chegou com eles em um pequeno barco e que desembarcou neste local em 42 dC.
As pessoas parecem ter assumido que a criança, sendo "egípcia", era de pele escura e, por interpolação ainda, que ela deveria ter sido a serva da família de Betânia, uma vez que nenhuma outra explicação razoável poderia ser encontrada que justificasse a sua presença.

O nome de Sarah significa "rainha" ou "princesa" em hebraico.
Esta Sarah é ainda caracterizada nas lendas locais como "jovem", não mais do que uma criança.
Portanto, temos, em uma pequena cidade litorânea na França, um festival anual em honra de uma jovem menina, de pele escura, chamada Sarah.
O fóssil desta lenda é que a criança é chamada de "princesa" em hebraico.

Uma filha de Jesus, nascida depois da fuga de Maria Madalena para Alexandria, teria sido de cerca de 12 anos de idade na época da viagem para a Gália registrada na lenda.
Ela, assim como os príncipes da linhagem de Davi, é simbolicamente negra, "não reconhecida nas ruas" (Lamentações 4:08).
Madalena foi o "Sangraal", no sentido de que ela era o "cálice", ou navio, que, uma vez que cria a linhagem real no útero.

A escuridão simbólica da Noiva no livro dos Cânticos e os príncipes davídica de Lamentações se estende a essa Maria escondida e sua filha.
Parece que o festival da Princesa Preta, Sara Kali, é em homenagem a esta mesma criança simbolicamente negra.
É provável que aqueles que nos séculos posteriores conheciam essa lenda ea identidade de Madalena como esposa de Jesus igualou-a com a noiva negro de Cânticos.
Ela era a Irmã Noiva e do Amado.
Sua "negritude" teria sido simbólica pelo seu estado oculto, ela era a rainha desconhecida - não reconhecida, repudiado, e difamado pela Igreja através dos séculos, em uma tentativa de negar a linhagem legítima e manter suas próprias doutrinas da divindade e celibato de Jesus.

Sua escuridão também é uma referência direta aos príncipes depostos davídica de Jerusalém:
"Mais brilhante do que neve eram seus príncipes, mais brancos do que o leite ... agora sua aparência é mais negra do que a fuligem, eles não são reconhecidos nas ruas" (Lamentações 4:08 ).

Fósseis de verdade permanecem enterrados em nossos símbolos, nos nomes próprios de pessoas e lugares, nos rituais e contos populares.
Este entendimento é plausível, já que a fuga para o Egito foi tomada pelo "outro José ", José de Arimatéia, e "outra Maria", Maria Madalena, para proteger o feto de Jesus dos romanos e os filhos de Herodes depois da crucificação.
As discrepâncias na história e o conflito de gerações óbvio podem facilmente ser entendidas à luz do perigo para a linhagem - que exigia o máximo sigilo quanto ao seu paradeiro - e à luz do que o tempo decorrido antes que a história se comprometesse a escrever .
Este parece ser mais um caso de um mito que está sendo formado, porque a verdade era muito perigosa para ser contada.

Em resumo, os dois refugiados reais de Israel, mãe e filha, logicamente pode ser representados na arte européia iniciando-se como uma mãe de pele escura e da criança, as ocultas.
As Madonas Negras dos santuários da Europa (séculos V e XII) poderiam, então, ter sido veneradas como um símbolo desta outra Maria e seu filho, o Sangraal, que José de Arimatéia trouxe em segurança até a costa da França.
O símbolo para um homem da casa real de Davi seria um florescimento pessoal ou brotamento, mas o símbolo de uma mulher seria o cálice - um copo ou recipiente contendo o sangue real de Jesus.
 E é exatamente isso que o Santo Graal é dito ter sido!

 
A imagem de Jesus que surge em nossa história é a de um líder carismático que encarna o papel de profeta, curandeiro e Rei-Messias, um líder que foi executado pelo Exército romano de Ocupação e cuja esposa e linhagem foram secretamente levados de Israel por seus amigos leais, e transplantadas na Europa Ocidental para aguardar a plenitude do tempo e a culminação da profecia.
Os amigos de Jesus, que acreditavam tão fervorosamente que ele era o Messias, o Ungido de Deus, teriam percebido a preservação de sua família como um dever sagrado.
O navio, o cálice que encarna as promessas do Milênio, o "Sangraal" da lenda medieval, era, eu passei a acreditar, Maria Madalena.

Sob as condições da ocupação romana de Israel, a Sagrada Família teria sido mantida em segredo e protegida a todo custo pela facção monarquista na Palestina.
Parece óbvio que após a crucificação de Jesus, Maria Madalena não estava mais em Jerusalém. não há menção de Maria, Marta, Lázaro no Livro de Atos ou nas cartas de Paulo.
Em qualquer caso, é pouco provável que Maria nunca fora identificada como a viúva de Jesus.
O perigo seria muito grande.
Parece mais provável que estes amigos especiais de Jesus não faziam mais parte da comunidade em Jerusalém no tempo em que as cartas de Paulo foram escritas (CE 51-63), mas a sua partida é inexplicável.
Se eles tivessem sido apartados dessa comunidade após a ascensão de Jesus, seus nomes poderiam ter sido mencionados nas obras posteriores do Novo Testamento que foram declarados canônicos.

Em vez disso, pós-Ascensão, as referências a Maria Madalena ocorrem somente nos Evangelhos Gnósticos (dos quais antigos pergaminhos coptas foram encontrados em Nag Hammadi, em 1945 e em outros locais no Egito), textos que confirmam que Maria Madalena era uma companheira íntima de Jesus.
O Evangelho de Filipe diz: "Haviam três que andavam com o Senhor em todos os tempos: Maria, sua mãe, sua irmã e Madalena, a qual é chamada de sua companheira " Maria Madalena é descrita no evangelho gnóstico encontrado em Nag Hammadi como tendo despertado o ciúme dos Apóstolos, porque ela era a companheira próxima ou "consorte" do Senhor, que muitas vezes beijou-a na boca.

É claro a partir dos quatro evangelhos canônicos que Maria Madalena gosava de precedência especial na comunidade de crentes, já que ela foi a primeira pessoa a ver e falar com Jesus no domingo de Páscoa, depois de ter apressado a sua tumba na primeira luz para realizar ritos de embalsamamento para seu corpo morto. Há sete listas nos quatro Evangelhos com os nomes das mulheres que acompanharam Jesus.
Em seis dos sete, o nome de Maria Madalena é dado como o primeiro - à frente de Maria, mãe de Jesus, e à frente das outras mulheres mencionadas.
Os escritores do Evangelho, começando com Marcos, é mais provável que reflete o status de Madalena na comunidade cristã - a de Primeira Dama.

Ele tem sido o consenso dos cristãos por quase dois mil anos que [Jesus] foi mágico não simples. Ele era um vaso de barro cheio do Espírito de Deus. E foi esse carisma poderoso que isso conduziu inevitavelmente a sua crucificação como um incendiário político e à fuga desesperada de sua família imediata de Jerusalém.

O que dizer sobre a lenda da família Santa de refugiados?
Escritura, naturalmente, no Evangelho de Mateus, relata que a "Sagrada Família" fugiram para o Egito para evitar ter seu filho assassinado pelo rei Herodes, que estava preocupado com a sua pretensão ao trono de Israel. Joseph ", o marido de Maria," foi dito em um sonho de receber Maria e Jesus e foge para o Egito (Mt 2:13).
A crença generalizada de muitos estudiosos bíblicos modernos é que isto é "mitologia", usado pelo autor do Evangelho de Mateus para cumprir a palavra do profeta: "Do Egito chamei meu filho" (Oséias ll).

O "fóssil de verdade" nesta história é a forte tradição de perigo para a linhagem real de Judá.
Um evangelho apócrifo é a fonte da tradição que a equipe de São José brotou como um sinal de Deus de que ele foi escolhido para ser o esposo de Maria e pai terreno de seu filho.
Mas a "equipe de floração", que é mostrada na mão de São José, em católicos igrejas em todo o mundo, também serve para nos lembrar que José era o guardião da "atirar", entende-se o próprio Jesus baseado na profecia de Isaías:
"Um tiro deve brotar do tronco de Jessé, e das suas raízes um broto florescerá "(Isaías ll: 1).

Mas a tradição derivada de uma antiga lenda francesa da costa do Mediterrâneo nos diz que um outro José, José de Arimatéia, foi o guardião da "Sangraal" e que a criança estava no barco egípcio, que significa literalmente "nascido no Egito".
Parece provável que após a crucificação de Jesus, Maria Madalena achou necessário fugir para o bem de seu futuro filho para o próximo refúgio.
O amigo influente de Jesus, José de Arimatéia, poderia muito bem ter sido o seu protetor.

copiado de www.eradeaquariocrowley.blogspot.com/.../a-verdadeira-historia-de-santa-sara..




Nenhum comentário:

Postar um comentário