30 de Março - Calendário Mágico


Festival de Eostre

Eostre ou Ostera é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica.
A primavera, lebres e ovos coloridos eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados.
De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs.
Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março.
Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa “a Deusa da Aurora”.
É uma Deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento. Ela deu nome ao Sabbat Pagão, que celebra o renascimento chamado de Ostara.

29 de Março - Calendário Mágico


Festival de Ishtar - deusa do Amor, da Fertilidade e da batalha

Como Deusa Tripla, Ishtar representa nascimento, morte e renascimento.
Ishtar é a deusa mãe dos acádios, herança dos seus antecessores sumérios, cognata da deusa Asterote dos filisteus, de Ísis dos egipcios, Inanna dos sumérios e da Astarte dos fenícios.
Mais tarde esta deusa foi assumida também na mitologia Nórdica como Easter - a deusa da fertilidade e da primavera.
Esta deusa era irmã gêmea de Shamash (que era o deus solar) e filha do deus Sin, o deus lunar .
Assim como Inanna, Ishtar também é representada pelo planeta Vênus.
O mais importante festival em honra a Ishtar consistia na Celebração do Equinócio da Primavera.
Neste ritual, os participantes pintavam e decoravam ovos (símbolo da fertilidade) e os escondiam nos campos.
Estes ovos continham runas e magias de sigilos pintadas cuidadosamente sobre eles. Estes ovos eram enterrados nos campos e, quando os ovos eram destruídos pelos arados, os desejos escritos nos ovos se realizavam.
Esta é a origem dos ovos “coloridos” de “Páscoa” (na verdade, eles não eram apenas “pintados”, mas escritos com runas e sigilos de várias cores, representando cada cor e símbolo dos desejos a serem realizados).

Festival de Ishtar, a versão assíria da deusa suméria Inanna, contendo em si a complexidade das qualidades feminiinas: a alegre donzela, a mãe benevolente, a guerreira altiva, a amante instável, a conselheira sábia, a anciã severa.
Invoque a deusa Ishtar ao cair da noite, procurando conectar-se ao planeta Vênus. Medite sobre a forma como você está vivendo sua feminilidade. Reforce aqueles atributos que lhe são necessários em sua fase atual, preservando sempre sua independência e auto-suficiência.


copiado de Teia de Thea

28 de Março - Calendário Mágico


Eka Dasa Rudra:

Mais importante festival de Bali, que é celebrado visando o restabelecimento do equilíbrio entre o bem eo mal pois deve haver um equilíbrio no mundo entre as forças do bem e do mal e, quando o saldo é favorável a este último (o Mal), a cerimônia deve ser realizada.Ocorre aproximadamente nesta data a cada 100 anos.
Este festival precedeu a erupção do Monte Agung em 1963, que matou mais de 1500 pessoas. Desde então, foi necessário realizar o festival com mais freqüência do que a exigência de cada 100 anos.

Quando a cerimônia da Eka Dasa Rudra ocorre - a sua preparação e toda a cerimônia - envolve de toda a população de Bali.
Basicamente, onze demônios [de Rudra, que é o mais poderoso], devem ser transformados de forma que se tornem menos ameaçadores para o equilíbrio mundial. Esta é a razão pela qual, em seguida, as cerimônias tem a duração de 11 semanas, com o número de cerimônias totalizando 30 ao todo.

27 de Março - Calendário Mágico


1º dia do Festival de Athena

Athena é a deusa grega da Sabedoria e Poesia, e neste festival os poetas e artistas são homenageados também.
Durante os três dias do festival, acenda uma vela amarela e passe um cristal branco pela chama, deixando o cristal perto da vela até o terceiro dia.
No último dia você pode pegar o cristal e levá-lo consigo como um poderoso talismã que conferirá sabedoria e discernimento a quem o trouxer consigo, além de ampliar a intuição.

Athena é filha de Zeus e Métis.
Desta relação com a deusa da inteligência, estava destinado a nascer um filho que superaria as forças de seu pai.
Para evitar que isto acontecesse, quando Métis engravidou pela primeira vez, Zeus engoliu o bebê (que era Athena).
Em consequência disso,Zeus ficou com uma dor de cabeça que se tornou tão insuportável que mandou o deus Hefesto abrir o seu crânio com uma machadada.
Quando isto foi feito, Athena saltou para fora,trazendo na mão uma lança.
Athena é a deusa da razão e da sabedoria.
É símbolo da inteligência, da guerra justa, da pureza e das artes domésticas e era uma das divindades mais veneradas.
A virginal deusa é a protetora da vida civilizada, da agricultura, das atividades artísticas, como a literatura, e a filosofia das cidades, foi ela quem ensinou às mulheres a arte de tecer.
É muito engenhosa, protege as fiandeiras e as bordadeiras.
Inventou o carro de combate e ensinou o homem a extrair azeite das azeitonas.
Athena era simbolizada pelas oliveiras e pela coruja.
Sua cidade era Athenas, que levara seu nome e onde havia cultos em sua homenagem.

26 de Março - Calendário Mágico

Dia de Celebração de Mati-Syra-Zemlya
É a deusa eslava da terra, seu nome significa “úmida mãe terra” e é a deusa-mãe doadora das visões proféticas para os eslavos.
Era muito cultuada, com seus fieis pedindo constantemente por boas colheitas, por fertilidade entre outras coisas.
Até este dia era proibido arar a terra, cavar buracos ou bater estacas, para não machucar o ventre grávido da Mãe Terra. Honrava-se a Grande Mãe como fonte de vida, de força, de poder e abundância, fazendo-se juramentos e promessas em seu nome. Nos casamentos colocava-se terra sobre a cabeça dos noivos que, em seguida, engoliam um pouco dela e faziam suas promessas. Para saber como seria a colheita, cava-se um buraco e procurava-se ouvir o som da terra: o som cheio anunciava fartura; o som oco, perdas. Era considerado um sacrilégio cuspir na terra, se alguém assim o fizesse, deveria pedir perdão imediatamente. Na Rússia, suas celebrações perduraram até meados do século XX. - texto retirado de Teia de Thea


Dia do Arado nos países nórdicos.

Dia da Solidão na tradição Wicca e neopagã.
Recomenda-se passar o dia ou parte dele, em isolamento, recolhimento e meditação, procurando o contato com o Eu Superior.
Caminhe na mata ou à beira mar, ouça a Natureza e sinta o contato com a Mãe Terra, percebendo sua pulsação sincronizada à batida de seu próprio coração.


25 de Março - Calendário Mágico

Fim do antigo festival romano da alegria, Hilária.
No final das festividades, faziam-se lavagens ritualísticas das casas e dos templos.
Nas culturas grega e romana, as mãe- deusas (Rainha do Céu) foram adoradas durante a primavera com festas religiosas.
Os gregos antigos prestavam homenagem à poderosa deusa Rhea, mulher de Cronus, conhecida como a Mãe dos Deuses (Rainha do Céu).
Do mesmo modo, um festival de três dias, em fins de março chamado Hilaria acontecia em Roma, para homenagear a deusa romana Magna Mater, ou Grande Mãe. Essa festividade remonta a 250 AC.
Este dia foi conhecida como Hilária ou o Dia da Alegria, um tempo de festa e alegria.
  • Celebração de Ashisti, deusa persa da fortuna e da prosperidade;
  • Comemoração do deus Marte e de sua consorte, a deusa Néria.

24 de Março - Calendário Mágico

Dia de Heimdall

Essa tradição germânica lembra-nos do deus Heimdall, guardião da ponte Bifrost, arco-íris que liga a Terra a Asgard, reino dos deuses.
Hoje, desenhe um arco-íris em um papel virgem, com as 7 cores, escreva embaixo dele o seu pedido e cole-o atrás de um espelho, deixando-o lá durante o dia.
Assim, seu desejo será levado por Heimdall e apreciado pelos deuses.




Na Mitologia Nórdica, Heimdall ou Heimdallr era o vigia e guardião da "Bifrost", ponte do arco-íris (a ponte que conduzia a Asgard) e dos deuses.
Não se sabe ao certo de quem ele é filho, alguns acreditam que seja filho de Gigantes, e outros, que seja filho das nove filhas de Aegir com Ran.
Tinha a visão e a audição extremamente apuradas, sendo até capaz de escutar a lã crescendo em uma ovelha e a grama crescendo.
Era seu dever avisar quando os inimigos dos deuses atacassem e ele os avisava soprando a corneta Giallarhorn, que podia ser ouvida em todo o mundo.
De acordo com o Canto de Rig, ele se tornou o pai da humanidade ao criar as três classes sociais: karl, jarl e thrall.
A gigante Skadi, ao ganhar o direito de desposar um deus e tornar-se um deles, queria escolher Balder, mas só podia escolher vendo os pés.
Escolheu os pés mais belos, os quais eram de de Heimdall.
Estava destinado a ter sua espada por Loki na batalha de Ragnarok.
E mesmo sendo destinado a matar Loki nesta mesma batalha ele depois morreria, por causa de suas feridas.



23 de Março - Calendário Mágico

Dia de Shait

Deusa egípcia do Destino que acompanha todas as pessoas desde seu nascimento, observendo as virtudes e vícios, os erros e suas realizações.
Shait é quem dá a sentença do julgamento final, após a avaliação da alma por Maat.
Sua sentença é definitiva, sendo baseada na observação contínua e escrupulosa da vida do falecido.

Comemoração de Maat, deusa egípcia da justiça e da verdade.

"Maat nasceu da pena de uma andorinha que se apaixonou por Ra (o Sol) e dele recebeu um raio fecundador.
Filha de Rá, Maat é a Deusa da justiça, do equilíbrio, da verdade e do senso da realidade.
Sem Maat, a criação divina (a Terra e seus habitantes) não poderia existir, tudo se afundaria no caos.
Suas características são: capacidade de observação, senso de justiça e sabedoria para criar harmonia à sua volta."
"
"Faze justiça enquanto durares sobre a Terra"

Símbolos: Velas brancas, essência e incenso de lótus ou olíbano, penas brancas ou penas de avestruz, falcão, águia;

Segundo a mitologia Egípcia é representada por uma mulher jovem portando em sua cabeça uma pluma.
Esposa de Thoth, o escriba dos deuses com cabeça de ibis.
Com sua pena da verdade ela pesava o coração dos mortos que chegassem ao seu Salão de Julgamento subterrâneo.
Ela colocava sua pluma num prato da balança e no prato oposto o coração do falecido.
Se os pratos ficassem em equilíbrio, o morto podia festejar com as divindades e os espíritos da morte.
Entretanto, se o coração fosse mais pesado, ele era devolvido para Ahemait (Deusa do Inferno, que é parte hipopótamo, parte leão, parte crocodilo) para ser devorado.

22 de Março - Calendário Mágico

DIA DE HÉRCULES

Hércules foi um semideus que realizou muitas façanhas, algumas consideradas impossíveis. Reveja hoje antigos projetos adormecidos...


Hércules é filho de Zeus com Alcmena (uma mortal). Anfitrião, marido de Alcmena estava na guerra dos sete chefes e Zeus se transformou em Anfitrião para seduzir Alcmena, dessa união nasceu Hércules, como filho de uma mortal também era um mortal.
Zeus queria tanto que Hércules fosse imortal que pediu para Hermes que fizesse com que Hércules bebesse do peito de Hera e assim Hermes fez, aproveitou o momento em que a deusa dormia, colocou o bebe em seu colo, e ele começou a beber como planejado, mas depois de um tempo ele sugava com tanta violência que mesmo depois de ter acabado, o leite continuou correndo e ao cair na terra o leite se transformou na flor-de-lis, mas mesmo assim, Hércules não bebeu o suficiente para se tornar imortal, assim ficando apenas com a força de um deus.
Hércules desde pequeno foi perseguido por Hera; quando ainda era um bebê Hera enviou cobras para matá-lo, mas por ser um semi-deus Hércules pegou as cobras com as próprias mãos e as estrangulou; alguns anos depois Hera enviou mais uma serpente, só que dessa vez o alvo era Alcmena, matando-a facilmente. Hércules se casou com Mégara e com ela teve dois filhos.
Um dia, Hércules foi tomado por uma loucura causada por Hera , e acabou matando seus filhos e esposa.
Sentido-se culpado, Hércules foi até Delfos consultar o Oráculo, que disse para ele ser escravo de seu primo Eristeu por 12 anos para que ele encontrasse perdão.
Eristeu era simpatizante de Hera e dela recebeu a idéia de delegar a Hércules12 trabalhos muito perigosos, na esperança de matá-lo, mas não foi isso que aconteceu.
Depois de Hércules cumprir sua missão ele se liberta de Eristeu.
Logo ele se apaixona por Lole e recebe de Dejanira, como presente de núpcias, uma túnica toda ensanguentada, Hércules ao colocar a túnica, começa a sentir fortes dores.
A túnica estava grudada em seu corpo, penetrando cada vez mais em seu corpo, Hércules não aguenta mais a dor e se joga numa fogueira, mas nada acontece , então Hércules dá seu incrivel arco e flechas para um jovem chamado Filoctédes e pede desesperado que o mate, o jovem atende ao pedido e Hércules parte para o Olimpo onde seu pai o torna imortal.

copiado do blog: allofthemitology.blogspot.com

24 de Março - Calendário Mágico

Comemoração do dia do Arcanjo Gabriel

No dia 24 de março comemora-se o Dia do Arcanjo Gabriel.
Segundo a tradição cabalística a tradução de seu nome é: “aquele que ativa a Luz de Deus em nós”.
Arcanjo Gabriel, juntamente com sua contra-parte Sra. Esperança, se manifesta no 4º Raio = Cristal.
Este raio ocupa-se, principalmente, da construção de uma ponte sobre o abismo entre o intelecto exterior e o da divindade nata no homem.
É Gabriel quem traz "as boas novas".
O Quarto Raio é o degrau da união da consciência externa do não ascensionado com seu Deus interno.
Seus Anjos são os mensageiros das boas notícias, nos ajudam a dar bom rumo e direção à nossa vida, nos dão compreensão e sabedoria.
É a ele que recorremos quando necessitamos desses dons.

Apelo ao Arcanjo Gabriel

Bem-amado Arcanjo Gabriel, eu Vos amo e Vos abençôo.
Agradeço por tudo que significais para mim e para a humanidade.
Carregai com a pressão da força de Vosso amor cósmico estas minhas ordens:

EU SOU a ressurreição e a vida de todo o bem em minha existência.
EU SOU a ressurreição e a vida de minha eterna juventude e beleza, minha perfeita visão e audição, minha iluminada força e energia e minha perfeita saúde.
EU SOU a ressurreição e a vida do meu ilimitado fornecimento de dinheiro e todas as coisas boas. EU SOU a ressurreição e a vida de toda perfeição em meu mundo e de meu Plano Divino que agora se realiza.
EU SOU, EU SOU, EU SOU.


Namastê

Clique aqui para aumentar a imagem e poder ler o conteúdo...

Namastê para você,
que está visitando esse meu espaço...

O QUE PODEMOS FAZER PARA DETER O AQUECIMENTO GLOBAL


Definitivamente, cada um de nós pode e deve colocar seu grão de areia é o nosso Planeta, nossa casa, nossa vida, a vida de nossos filhos, nossos netos

O QUE PODEMOS FAZER EM CASA

A responsabilidade não é só política e empresarial, mas também da postura de cada habitante da Terra diante do fenômeno é a chave para salvar o Planeta, nossas vidas e as futuras gerações.

Não mais protestos inúteis, pois AÇÃO e INFORMAÇÃO farão a diferença.

1 - A ÁGUA
Consuma o justo.Evite gasto desnecessário.
* Não esvazie a cisterna desnecessariamente e ao fazê-lo, utilize a água armazenada.
* Repare imediatamente os VAZAMENTOS: 10 gotas de água por minuto desperdiçam 2 mil litros de água por ano.

B A N H E I R O

*Não jogue no VASO SANITÁRIO cotonetes, papéis, pontas de cigarro, compressas, ob ou preservativos, utilize a lata do lixo.
*Gel, xampu e detergentes são contaminadores. Usá-los moderadamente e se possível optar por produtos ecológicos.

B A N H O
*Prefira DUCHA à imersão (banheira). Economiza 7mil litros p/ ano.
*Mantenha a ducha aberta só o tempo indispensável, fechando-a enquanto te ensaboas.
*Não deixe a torneira aberta enquanto escovar os dentes ou barbear.

C O Z I N H A

*Não lave os alimentos com a TORNEIRA aberta, utiliza um recipiente. Ao terminar, esta água pode ser aproveitada para regar as plantas.
*Utilize a máquina de lavar louças na sua capacidade máxima.
*Não despeje óleo usado na pia ou vaso sanitário, ele flutuará sobre a água e é muito difícil de eliminar.

L A V A N D E R I A
*Utilize a MÁQUINA DE LAVAR somente quando estiver cheia totalmente.
*Reutilize totalmente ou parte da água da máquina: em banhos, limpar pisos, calçadas.

J A R D I M
*O melhor momento para regar é à tardinha, menor evaporação.
* Utilizar água não potável para regar jardins e calçadas; de cozimento de alimentos para regar as plantas.
*Prefira plantas nativas, que requerem menos cuidados e menos água.
*Não esquecer de plantar a SUA ÁRVORE, ao menos uma vez vida.

2 - LIXO
*Mais da metade da produção industrial é reciclável.
*Por que não RECICLAR e ECONOMIZAR?
*Não jogue nenhum tipo de lixo no MAR, RIOS e LAGOS.

LEI DOS 3 ERRES
o RECICLAR- (transformar em novas propostas de utilização)
o REDUZIR - (o consumo desnecessário e irresponsável).
o REUTILIZAR - os bens.

*Recuperar caixas de papelão e embalagens de papel contribui para que diminua o corte árvores, responsáveis pela captação do gás metano e da purificação do ar.
*Reutilizar 100k de papel salva-se a vida de, pelo menos, 7 árvores.
*Selecionar o lixo que produzir. Consulte Prefeitura ou Condomínio, sobre a possibilidade de um SISTEMA SELETIVO DO LIXO.
*Use sempre vasilhas RETORNÁVEIS.
*Escolha sempre que puder vasilhame de VIDRO no lugar de plástico, "tetrapack" e alumínio.
*Não esbanje guardanapos, lencinhos, papel higiênico ou outros.
* Existem cooperativas e empresas que absorvem esses materiais recicláveis como: jornais, livros velhos, garrafas, metais,etc.

3 - ALIMENTAÇÃO
*Diminua o consumo de carnes vermelhas. A criação bovina contribui para o aquecimento global, pela devastação de árvores e ecossistemas e a diminuição dos rios.
*Produzir 1 kilo de carne gasta mais água do que 365 duchas.
*Não consuma enlatados (Atum em via de extinção), produzir consome muitos recursos e energia.
*Evite alimentos - transgênicos - (OMG organismo manipulado geneticamente), sua produção contamina os Ecossistemas,
deteriorando o meio-ambiente.
*Não consuma animais exóticos, como tartaruga, jacaré, etc.
*Consuma mais frutas, verduras e legumes do que carnes.
*Nunca compre pescados pequenos para consumir.
* Se possível, consuma alimentos ecológicos (sem pesticidas, sem inseticidas, etc.)

4 - ENERGIA
*Não consuma em excesso, diminua o seu consumo diário.
*Use água quente somente se necessário e o necessário; acender o aquecedor somente 2 h p/dia, graduando-o entre 50 e 60ºC.
*Se puder, use banho com água fria, que é mais saudável.
*Evite o FERRO, AQUECEDOR e MAQUINA DE LAVAR em excesso, gastam muita energia esgotando os recursos naturais.
*O uso do PETRÓLEO, CARVÃO e GÁS utilizado para atender a demanda energética são combustíveis geradores de gases, como o "dióxido de carbono" aumentam temperatura global.
*Melhor cozinhar com gás do que com energia elétrica.
*Desligue a TV, rádio, luzes, computador (tela) se não estiver usando.
*No local de trabalho, apagar as luzes de zonas pouco utilizadas.
*Utilize lâmpadas de baixo consumo de energia.
*Modere o consumo de latas de alumínio.
*Não compre ou use produtos de PVC em nada, contamina muitíssimo e não é reciclável.

5 - TRANSPORTE
*Diminua o uso do veículo particular, faça-o de forma eficiente.
*Não viaje só, organize traslados em grupos ou em transporte coletivo.
*Calibre satisfatoriamente os pneus, economizará gasolina e o motor não a queimará desnecessariamente.
*Revise a emissão de gases do seu veículo.
*Não acelere quando o veículo não estiver em movimento..
*Reduza o uso do ar-condicionado, pois reduz a potência e eleva o consumo de gasolina.
*Diminua a velocidade, Nunca ultrapasse 110 km/h, acima dessa velocidade há um excessivo consumo de combustível.
*Nunca sobrecarregue o veículo: mais peso, maior consumo de combustível.
*Comece a utilizar a bicicleta na medida do possível.

6 - PAPEL
*Reduza o consumo de papel.
*Use habitualmente papel reciclado utilizando os dois lados.
* Fomente o uso de produtos feitos a partir de papel reciclado.
*Faça somente as fotocópias imprescindíveis.
*Reutilize as embalagens, caixas, etc.

REJEITE PRODUTOS DESCARTÁVEIS (de um só uso).

7 - EDUCACÃO
*Eduque os jovens e a todos a quem conheça com relação à natureza.

20 de Março - Calendário Mágico

Mabon - A Segunda Colheita
Primeiro dia do outono (Equinócio do Outono).
Em 2009, no Hemisfério Sul, ocorre no dia 20/Mar às 08h44min (Horário de Brasília).

Mabom é o segundo dos três Sabbats da colheita.
A Deusa está agora fortemente impregnada pela energia do Sol, que a cada dia parte mais rápido para o País do Verão.
Conforme o poder dele diminui, a Deusa lamenta sua partida, mas Ela sabe que o
poder do Deus retornará à Terra em Yule.
A Deusa e o Deus são honrados através de novas oferendas da segunda colheita.
É o momento de agradecer pelas abundantes colheitas e o maravilhoso ano de aprendizado e lições oferecidas.
Nesse momento dia e noite são iguais.
É um tempo de equilíbrio e balanço, mas as sombras começam a dominar a luz.
Isso está associado com o interior do chifre, um dos símbolos desse Sabbat, e a contemplação da colheita.
Nesse Sabbat a Deusa lamenta o seu consorte que está partindo para Outro Mundo, mas a mensagem de renascimento pode ser encontrada em cada semente colhida, que é o próprio Deus que se sacrifica para alimentar seu povo.
É um tempo positivo para caminhar nas florestas, colher plantas e ervas mágicas para serem usadas no Altar.
Pão de milho e cidra são bons elementos para fazer parte dos rituais e folhas de outono são ótima decoração para o Altar.
Os Druidas honravam o salgueiro nesse Sabbat, a árvore associada à Deusa e à morte, e cortavam seus bastões do salgueiro somente após Mabon.
A Deusa está entrando em seu aspecto de Anciã; entretanto, seu aspecto de Virgem está impregnado nas sementes do Deus.
Muitas festas que celebram a colheita ocorrem em países rurais; o Dia da Ação de Graças é um deles.
As plantas, árvores, flores e ervas que estão associadas com Mabon são: a aveleira, o milho, o álamo, bolotas, galhos de carvalho, folhas de outono, ramos de trigo, cones de cipreste, cones de pinheiro.
Mabon é um período positivo para honrar os Ancestrais e o Espírito da Terra.
Os Deuses associados com Mabon são todos aqueles relacionados ao vinho e às colheitas.
É dada muita ênfase à Deusa em seu aspecto de Mãe e muitas vezes Modron (a mãe de Mabon) é honrada.
Nesse período da Roda do Ano, duas lendas mitológicas são apropriadas: Mabon e Modron (celta) e a história de Perséfone (grega).
Mabon é um antigo Deus celta que simboliza os princípios masculinos da fertilidade.
É o nome galês do Deus da mocidade, a Divina Criança, que os Druidas acreditavam estar dentro de todos nós.
Ele é uma criança do Outro Mundo, nascida de pais terrestres, que desapareceu em sua terceira noite de vida.
Mabon ap Modron significa “Filho da Grande Mãe”.
No Equinócio de Outono, marca-se o tempo de sua mudança.
Nesse momento Mabon desaparece, com apenas três noites de nascimento.
Ele vai morar novamente no mundo mágico de Modron, o seu ventre.
Esse é um lugar nutridor e encantado, mas ao mesmo tempo de desafios.
É um lugar de poder e renovação para que Mabon possa nascer através de sua mãe como campeão, o filho da Luz.
Esse Sabbat simboliza a luz de Mabon entrando na Terra (ventre da Deusa), recarregando-se para tornar-se uma nova semente.
Seu desaparecimento é um mistério, mas Mabon é eventualmente resgatado, no Solstício de Inverno, graças ao conhecimento de alguns animais: o pássaro negro, o veado, a coruja, o bisão e o salmão.
Essa é a essência do Sabbat Mabon: o rejuvenescimento para uma colheita farta, agradecendo aos Deuses pelas dádivas concedidas durante o ano e o conhecimento da necessidade do balanceamento entre a luz e as sombras.
O Equinócio de Outono é o momento em que dia e noite têm igual duração; logo depois dele a escuridão dominará com a chegada do Inverno.
Enquanto o Equinócio de Primavera, outro momento de equilíbrio na Roda, representa iniciação e preparação para ação, o Equinócio de Outono é tempo de parada do trabalho.
A colheita foi bem-sucedida, mas o Sol ainda está conosco.
Esse Sabbat é simbolizado pelo espiral duplo, um vai e outro que retorna, para nos lembrar que começamos a jornada pelo ponto mais escuro do ano e que a morte sempre é seguida pelo renascimento, da mesma maneira que o Inverno sempre é seguido pelo Verão.
Os temas desse Sabbat são equilíbrio e ação de graças. É tempo de dar graças pelos frutos colhidos, e a Deusa é a Senhora de Abundancia cuja colheita nos sustentará pelos meses escuros do Inverno, assim como refletir sobre nós mesmos, sobre o equilíbrio da escuridão e da luz e se esforçar para manter o equilíbrio interno.
Também é hora de meditar sobre os projetos, a escolha das “sementes” (nossos sonhos) que serão plantadas no próximo ano, além de agradecer pelas realizações do ano que passou.
Agora, entretanto, temos de deixar que coisas não mais significativas possam ir embora de nossa vida, pois isso é o que nos oculta e impede de alcançar aquilo que queremos, e observar que cada coisa tem seu tempo e sua estação e o Inverno se aproxima.
Esse Sabbat é tido como o tempo de equilíbrio, gratidão e agradecimento, porque também é a segunda e maior colheita do ano.
Mabon marca o começo do Outono e a morte do Deus que está por vir.
A partir de Mabon, o Deus Sol começa a diminuir diariamente.
Ele está envelhecendo e morrendo lentamente, como as plantas colhidas da Terra.
Ele doou todo o seu poder aos seres humanos através das colheitas.
Os sacrifícios de Lammas tiveram êxito e a generosidade veio.
As plantas estão começando a morrer e a lançar suas folhas ao chão.
Os animais estão preparando seu habitats para o frio esperado.
O tema de colheita de Mabon não pode ser negado.
Pelas bênçãos que recebemos é natural usar esse tempo de ano para mostrar nossa gratidão.
Um banquete de abundância em honra ao Deus é tradicional.
A mesa é coberta com legumes, carnes deliciosas e aves, tortas e bolos e outras delícias.
Com um gesto ritual, é tradicional a passagem do Cálice da Gratidão nesse banquete.
Um Cálice repleto de vinho é abençoado e passado a cada integrante da mesa.
Conforme o Cálice passa, as pessoas vão fazendo seus agradecimentos.
Quando tiverem agradecido por todas as bênçãos, eles bebem e passam o Cálice adiante.
Isso continua até a Taça esvaziar, bebendo em amor, bênçãos e gratidão a tudo.
Considerando que esse é um dos dois dias de equilíbrio no ano, juntamente com Ostara, é tradicional limpar a casa.
É nesse momento que você começa a obstruir toda desordem ao redor de seu lar.
As portas da casa são abençoadas para protegerem aqueles que vivem dentro dela.
Magicamente falando, esse é um bom tempo para executar sortilégios ao redor da idéia de balanceamento da vida, de remover as culpas e substituir por carinho e aceitação.

Correspondências de Mabon

Cores: marrom, verde, amarelo, vermelho.
Nomes alternativos: Equinócio de Outono, Encontro do Inverno, Winter Finding, Alban Elfed, Colheita do Vinho, Cornucópia, Festa de Avalon, Segunda Colheita.
Deuses: do vinho e colheita.
Ervas: alecrim, calêndula, sálvia, noz, folhas e cascas, visco, açafrão, camomila, folhas de amêndoa, frankincenso, rosa, agridoce, girassol, trigo, folhas de carvalho, maçã seca ou sementes de maçã.
Pedras: âmbar, peridoto, diamante, ouro, citrino, topázio amarelo, olho-de-gato, aventurina.

Atividades:
· Fazer uma cornucópia da prosperidade.
· Fazer bonecas mágicas de maçã.
· Andar pelos campos para agradecer a generosidade da Deusa.
· Fazer grinaldas e oferecer à Natureza como sinal de agradecimento.
· Fazer vassouras mágicas.
· Fazer amuletos.
· Confeccionar uma Rainha da colheita (kern baby).
· Encher uma tigela com frutas e folhas e oferecer aos Deuses.
· Encher uma cesta com cones de pinheiros, folhas secas coloridas, trigo, bolotas e ramos de pinheiro e deixar na sua porta de entrada para atrair boa sorte.
· Colocar espigas de milho na sua porta de entrada.

Comidas e Bebidas Sagradas: abóboras, todos os tipos de grãos, pães, bolos, todos os tipos de raízes, batatas, nozes, sidra com canela, vinho.


Bonecas Mágicas

Para fazer as bonecas mágicas você vai precisar de:
· Duas maçãs grandes, uma para Mabon e uma para Modron;
· Dois lápis;
· Dois palitos de churrasco;
· Uma faca;
· Um prato.
Descasque as maçãs.
Talhe uma face em cada uma das maçãs.
Finque as maçãs nos palitos de churrasco e deixe-as em pé para secarem em algum lugar seguro.
Faça então bonecas com elas usando trigo e ervas secas para os cabelos.
Vista-as com batas feitas de pano.
Enquanto faz as bonecas, peça à Deusa que elas sejam carregadas com luz e poder.
Na sua celebração de Mabon, consagre-as em seu ritual, pedindo que elas possam servir de protetoras para o seu lar e que tragam sorte para você e sua família.
Pendure-as numa corda ou grinalda de Mabon e coloque-as em algum lugar proeminente em sua casa.
As maçãs são sagrados símbolos da Bruxaria.
Nossa terra santa, Avalon, significa Terra da maçã ou Ilha das maçãs. Fatie uma maçã ao meio e verá que suas sementes revelam a forma sagrada do Pentagrama, o símbolo da Bruxaria.

Fazendo uma Rainha da Colheita (kern baby)

A Rainha da Colheita, ou Kern Baby, era feita do último feixe da colheita e construída pelos ceifeiros enquanto proclamavam: “Nós temos a Kern!”
Na Escócia era chamada de a “Virgem do Último Feixe da Colheita” e era cortada pela garota mais jovem da aldeia.
Fazer uma Rainha da Colheita é uma das práticas de Mabon.
Para isso você vai precisar de:
· Ramos de trigo;
· Fitas multicoloridas;
· Um pedaço de pano branco;
· Um bastão;
· Barbante;
Pegue os ramos de trigo e divida-o em três partes.
A primeira parte será a cabeça e as outras duas serão os braços do boneco.
Para isso cruze duas partes dos ramos de trigo, em posições opostas, amarrando a parte separada na posição vertical, formando uma cruz.
Amarre com o barbante para que fiquem firmes e não se soltem.
Com o pano branco faça uma bata e vista o seu boneco de feixe.
Decore a bata branca com as fitas coloridas, elas representam a Primavera, o outro ponto de equilíbrio existente na Roda do Ano que chegará nos próximos seis meses vindouros.
Pendure sua Rainha da Colheita no bastão, que é o símbolo fálico da fertilidade.
Então, na sua cerimônia de Mabon, coloque-a sobre o seu Altar, pedindo que ela se torne um símbolo de abundância e fartura.
Depois, pendure-a acima da porta de entrada de sua casa.

Cornucópia da Abundância

O Chifre tradicional da Abundância, ou Cornucópia, é um símbolo de generosidade, boa colheita e tem implicações mágicas bem-definidas.
O próprio chifre é um símbolo fálico, representante do Deus.
O interior do chifre simboliza o útero, especialmente quando está cheio de generosidade da terra fértil, e representa a Deusa.
Como Mabon é a Ação de Graças das Bruxas, é muito apropriado utilizar esse símbolo para nossos altares ou mesas.
Faça ou compre uma cornucópia.
Encha o chifre de frutas, flores, grãos e moedas, de forma que eles sejam derramados sobre o Altar. Some outras coisas mágicas, como folhas de carvalhos ou bolotas, avelãs ou cartas de Tarô.

Bebida Mágica de Mabon

A bebida mágica de Mabon consiste de:
· Sidra de maçã quente;
· Canela;
· Pequenas rodelas de maçã.
Essa bebida sagrada tem um significado profundo.
A maçã rege o coração, a sidra representa o eu, por si só já é uma poção de amor.
Mas quando misturada com canela, que é governada pelo Sol, representa a essência solar e, ao ingerirmos esta bebida, é como se estivéssemos ingerindo a própria luz do Sol.

Ritual de Mabon
Material necessário:
· Grãos de todos os tipos;
· Caldeirão;
· Folhas secas;
· 13 fitas de cores diferentes;
· um galho de madeira;
· três velas marrons;
· cálice com vinho.

Procedimento:

Faça um triângulo com o vértice para cima usando as velas marrons e coloque o seu Caldeirão no meio dele.

Trace o Círculo e diga:

A Roda do Ano mais uma vez gira.
Este é o Sabbat da Segunda colheita.
A Senhora da Abundância e o Deus da fatura abençoam o mundo com os seus grãos.
Abençoada seja a Fartura da Terra!
Acenda as velas.

Pegue as fitas e amarre-as em uma das extremidades do galho.
A cada fita amarrada, faça um desejo.
Quando tiver amarrado todas as fitas, eleve o galho dizendo:

Hoje, luz e escuridão são iguais.
A partir de agora o Deus retornará ao ventre da Mãe.
Esta é a Dança eterna da vida e da morte.
Que a Roda gire mais uma vez e que a Senhora e o Senhor abençoem o mundo.

Coloque o galho no Caldeirão. Espalhe os grãos e folhas pelo seu altar enquanto diz:

Pedimos que a Deusa e o Deus cuidem da Terra com sabedoria e bondade para que as colheitas prossigam com pão e vida para todos.
Damos graças aos Deuses pela abundância.
Que a Deusa nos guie pelos dias escuros, até que a Criança da Promessa renasça para trazer alegria e felicidade.

Eleve o cálice e diga:

Bebo este vinho em homenagem à Senhora da Abundância e ao Deus da Colheita que segue cada vez mais rápido ao País do Verão. Abençoados sejam!

Cante e dance em homenagem aos Deuses.
Destrace o Círculo.

19 de Março - Calendário Mágico

Dia de São José - Dia de Saint Germain

Em uma de suas encarnações, Saint Germain foi São José, pai de Jesus, e celebramos o seu dia em 19 de março.

Na sede da PAX, teremos rituais especiais às 10, 15, 18 e 20h com Carmen Balhestero, Heloísa Lassálvia, Jane Ribeiro , Entrada franca!

Quem foi o Mestre Ascensionado Saint Germain

Há registros de suas viagens de 1710 a 1822; no entanto, não podemos tratar de cada período de maneira completa porque Saint Germain muitas vezes desaparecia durante vários meses para reaparecer de repente, deixando entender que teria estado em outro mundo, em comunicação com os "mortos".
O Conde costumava afirmar que tinha vivido bastante para conhecer Jesus e seus pais, que tinha estado nas bodas de Canaã e que sabia do fim triste de Jesus.
Disse também que a Virgem Maria o havia impressionado tanto que ele mesmo tinha pedido sua canonização no concílio de Nicéia, em 325 d.C.
Falava 12 idiomas: francês, alemão, italiano, inglês, russo, português, espanhol, grego, latim, sânscrito, persa e o chinês — fato raríssimo para a época e nunca foi explicado.
St. Germain afirmava ter aprendido as coisas da natureza por sua própria aplicação e pesquisa: sabia tudo sobre ervas e plantas e tinha inventado os medicamentos que usava com freqüência e que prolongavam sua vida e sua saúde.
Era conhecido por muitos como o homem dos milagres, que previa fatos e transformava objetos.
Hábil diplomata, agia de forma a chamar atenção da alta sociedade.
Vestia-se com sobriedade, mas sempre destacando os diamantes que usava nas roupas e sapatos.
Era um homem simples e bom, dava atenção às pessoas mais humildes.
Não há registro de sua morte.
Foi músico, tocava violino, foi cantor e pintor.
Não se sabe, hoje, da localização de qualquer de seus quadros; mas dizem que as pinturas a óleo eram maravilhosas reproduções de jóias que brilhavam como se fossem reais.
Foi também excelente joalheiro e famoso alquimista que estudava os metais nobres. Conhecido também como curandeiro, salvou da morte algumas pessoas com graves doenças.
Fundou diversas sociedades secretas e fez parte de uma Loja Maçônica em Paris, juntamente com os iluministas Russeau, Voltaire e Benjamin Franklin.
O Mestre Saint Germain teve muitas outras encarnações. Foi:

- Mago Merlin, o velho sábio que ajudou o rei Arthur a fundar a Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda;

- Profeta Samuel;

- José, pai de Jesus;

- Cristóvão Colombo, o descobridor da América;

- Francis Bacon, filho da Rainha Isabel I, da Inglaterra;

- Shakespeare;

- Leonardo da Vinci.

O príncipe da Prússia, Karl Von Kassel, disse: Saint Germain foi um dos maiores filósofos que jamais viveram.
Era amigo da humanidade, não desejava a riqueza senão para poder distribuir aos pobres.
Amava os animais e apenas a felicidade dos outros era o suficiente para encher-lhe o coração.
O Conde de Saint Germain era um devotado alquimista, acreditava na medicina universal e realizou estudos sobre o magnetismo animal.
Suas tentativas pacifistas facilitaram seu contato com monarcas na Europa.
Na corte francesa, apareceu para prevenir Maria Antonieta, esposa do Rei Luiz XVI, do súbito início da Revolução Francesa.
A verdadeira missão de Saint Germain era auxiliar no progresso da ciência, encaminhar a humanidade para a religião não dogmática e estimular a evolução geral.

Quem é o Mestre Ascensionado Saint Germain

O Bem-Amado Mestre Saint Germain é o Ser responsável pelo Planeta Terra nos próximos 2000 anos.
Através da alquimia, o Mestre desenvolveu a habilidade de transmutar metais em ouro e energias negativas em positivas.
Da mesma forma que Mestre Jesus trouxe à Terra a mensagem de Amor Incondicional na Era de Peixes (se bem que muitos tenham entendido que a sua mensagem era de dor, sofrimento e culpa), o Bem-Amado Mestre Saint Germain foi escolhido para governar a Era de Aquário utilizando o Poder da Chama Violeta, que é a cor máxima de vibração espiritual e, por este motivo, tem a propriedade de acelerar, transmutar e manifestar tudo em nós e à nossa volta mais rapidamente, curando assim a mente humana que, neste momento, está presa no limite, na dor e no sofrimento.
Saint Germain foi o fundador das sociedades secretas, da maçonaria e hoje, na condição de Mestre Ascencionado da Grande Fraternidade Branca Universal, nos dá, na PAX, a missão de espalhar e divulgar as informações da Nova Era e não mais escondê-las à quatro portas para que todos tenham a mesma oportunidade ter o conhecimento de alcançar a ascensão, pois como Ele mesmo diz: "O TEMPO URGE!"

extraído de texto de Carmen Balhestero

18 de Março - Calendário Mágico

FESTIVAL DE ASTARTE

Essa antiga tradição de Canaã homenageia Astarte, a Rainha do Paraíso.
Desperte esse antigo ritual pintando um ou mais ovos, e colocando nele(s) os seus desejos.
No dia seguinte ofereça a um bom amigo e estará dando boa sorte para os dois.
A deusa Astarte, foi a mais importante das numerosas divindades fenícias e a única que permaneceu inamovível na sua rica mitologia, apesar das profundas e contínuas mudanças no culto que resultaram de diversas influências oriundas de toda a área do Mediterrâneo, recebidas por este povo de navegantes.
A deusa era uma representação das forças da fecundidade e, como tal, foi adorada sob variadíssimos aspectos.
Todos eles tinham de comum a imagem de uma deusa amorosa, bela, fecunda e maternal. Chamaram-lhe Kubaba-Cibeles na Síria do Norte.

Dia de Tuonetar

Antigamente, na Finlândia, era homenageada, neste dia, Tuonetar, a rainha da morte, que vivia numa ilha escura, Tuoneta, cercada de águas negras onde nadavam cisnes negros.

17 de Março - Calendário Mágico

DIA DE SÃO PATRÍCIO

São Patrício levou o Cristianismo à Irlanda e era também um mago.
Desde então, a magia celta misturou-se com a nova religião e, como ambas visavam o amor universal, não houve problema.
Não se sinta obrigado a seguir esta ou aquela religião.
Basta seguir o fundamento que é o mesmo: Amor.

Dia de São Patrício (em inglês: Saint Patrick's Day, em irlandês: Lá ’le Pádraig or Lá Fhéile Pádraig), é a festa anual que celebra São Patrício, um dos padroeiros da Irlanda, e é normalmente comemorado no dia 17 de Março.
As pessoas vestem-se de trajes verdes.
Vista a sua melhor camisa verde, ou mesmo sua calça verde.
Quiçá um chapéu ou gorro verde.
Qualquer coisa verde.
Tome sua caneca de chopp, coloque duas gotas de anilina azul e tome o melhor chopp verde em homenagem e honra a São Patrício!!!

16 de Março - Calendário Mágico

FESTIVAL DE DIONÍSIO

Este é o deus greco-romano do vinho, também conhecido como Baco.
Ele também domina os grãos, a fertilidade e a alegria.
Hoje, reúna os amigos para uma pequena celebração a Dionísio, fazendo um brinde com vinho em honra a ele.
Todos os que participarem deste alegre ritual, terão como companheira de vida a alegria
Seu culto deve ter vindo da Trácia, Lídia ou Frígia para a Grécia aproximadamente no oitavo século a.C. e se estabeleceu inicialmente com muitas restrições, principalmente da aristocracia. Basta observar que Homero não o reconheceu como um dos grandes deuses olímpicos.
Com sua forma de touro freqüentemente liderava as Maenads barulhentas, bacantes, sátiros, ninfas e outras figuras disfarçadas para os bosques.
Eles dançavam, desmembravam animais e comiam suas carnes cruas, e alcançavam um estado de êxtase que originalmente nada tinha a ver com o vinho. Outro animal cuja forma era assumida por ele era o cabrito.
Isso porque para salvá-lo do ódio de Hera, seu pai, Zeus, o transformou nesse animal.
E quando os deuses fugiram para o Egito para escapar da fúria de Tifon, foi transformado em um bode.
Assim, seus adoradores cortavam em pedaços um bode vivo e o devoravam cru, acreditando estar comendo a carne e bebendo o sangue do deus.
Apenas gradualmente é que foram os componentes licenciosos e fálicos do culto moderados, de forma que tomou um lugar seguro na religião dos gregos.
Mais tarde, seu culto se tornou tão difundido que veio a ser cultuado em um momento histórico particular, até mesmo em Delfos, o santuário-chefe de Apolo.
Nos festivais realizados em sua homenagem, que eram basicamente festas da primavera e do vinho, também foi acrescentadas performances dramáticas, especialmente em Atenas, de forma que seu culto pode ser visto ligado ao gênero dramático.

Dia de Mogan Le Fay

Personagem celta da água, rainha das Fadas, Senhora de Avalon, Morgaine Le Fay ou Morgan Le Fay, é conhecida na Grã-Bretanha como Morgana das Fadas.
O nome Morgaine tem origem celta e quer dizer Mulher que veio do mar e pode se escrever Morgaine ou Morgan.
Morgaine também é muito conhecida na Itália por um fenômeno chamado Fata (Fada) Morgana.
Morgan era uma mulher encantadora que mudava de forma, com aspecto de deusa, sendo conhecida pelo apelido de "le Fay".
O seu nome inglês proveio do francês Morain le Fee, a fada ou feiticeira e em italiano Fata Morgana.
Morgan le Fay era representada como uma deusa negra, caracterizada pelas suas poderosas qualidades terrestres de Inverno e de guerra.
Alguns contos referem que ela podia mudar de forma e voar com asas.
A sua rival era a Rainha Guinevere, filha de Leodegrance e mulher de Arthur, cujo papel era "Noiva das Flores", representando a Primavera e o nascimento.
Morgan governou o castelo das donzelas, perto de Edimburgo, sendo também deusa de uma ilha chamada "A Ilha da Felicidade", "A ilha das Maçãs", mais conhecida pelo nome de Avalon, na qual habitavam 9 irmandades.
Ela era a chefe das nove irmãs, cujos nomes incluíam Moronoe, Mazoe, Gliten, Glitonca, Cliton, Tyronoe e Thitis.
As lendas baseadas nos contos do Rei Arthur acreditam que Morgana foi uma sacerdotisa da Ilha de Avalon, na Bretanha, em outras versões, foi meia-irmã de Artur, uma feiticeira maligna que queria de todas as formas retirar sua poderosa espada Excalibur.
Sendo Filha de Igraine e Gorlois, Duque da Cornualha, Morgana é treinada por sua tia Viviane na ilha de Avalon para se tornar a Senhora do Lago ou como também é chamada Dama do Lago/Senhora de Avalon.
Foi também, aluna de Merlin, tendo aprendido com ele grande parte da sua magia.
Morgana teve um filho de Arthur depois de um ritual sagrado (Beltane), essa criança se chamava Gwydion.
Após ir para corte de Arthur toma o nome de Mordred.
Mais tarde este seria um dos inimigos de Arthur.
Mordred depois de ter ferido seu próprio pai em uma luta para tomar o trono acaba morto. Morgana vendo seu irmão morrer e escutando seu pedido o leva para Avalon, onde o tempo transcorre de forma diferente do mundo dos humanos.
Alí Arthur lança Excalibur no lago e morre, Morgana leva seu corpo para ser enterrado em Avalon (em algumas histórias, o Rei Arthur, ferido em combate, é levado pela Dama do Lago, a uma Avalon mística do Além paralela a real), onde Artur permanece retirado do mundo e para sempre imortal.
Em algumas versões da lenda, ele não resiste à viagem e morre tendo sido enterrado então em Avalon, em outras, ele estaria só dormindo, esperando pra voltar num futuro próximo, pois, a ilha seria um refúgio de espíritos,o que permitira a ele permanecer vivo por artes mágicas). Posteriormente a Ilha de Avalon se desliga quase por completo do mundo físico.
E a Bretanha cai numa era negra nas mãos dos Saxões.

Nos livros "As Brumas de Avalon" de Marion Zimmer Bradley, que recontam a história do Rei Artur, nela, Morgana é uma sacerdotisa sagrada da Grande Mãe.
Apesar da história de Marion ser pouco realista, retoma laços importantes de Morgana com a cultura pagã atual.
Colocar Morgana numa posição de poder e conhecimento confere às mulheres uma importante retomada de sua posição forte no culto à Deusa, base do Druidismo Matriarcal.
Morgana das Fadas é um dos personagens mais fortes nas lendas Arthurianas, hora como sua inimiga, hora como sua amiga, sua amante ou irmã, Morgana encanta, aterroriza e engrandece essa antiqüíssima lenda que povoa nossa cultura há tanto tempo.

15 de Março - Calendário Mágico

Nesta data na antiga Roma, o Festival de Átis e Cibele começava com uma procissão de carregadores de junco para comemorar o achado da criança Átis entre os juncos.

O Mito de Átis relata que ele estava para se casar com a filha de um rei, quando sua mãe, estando apaixonada por ele, tornou-o louco.
Átis, na loucura, ou no êxtase, castrou-se diante de Cibele, causando muita tristeza à Grande Deusa.

Pesquisa de Rosane Volpatto:

Abundam as lendas sobre a origem de Atis.
A história mais antiga relata que Cibeles era andrógina, e e quando seus genitais masculinos amputados tocaram o solo cresceu uma amendoeira: seus frutos geraram Atis.
Em algumas ocasiões, há relatos que narram a dor da Deusa pela m
orte de Atis;
outras vezes, descrevem sua ira vingativa ao apaixonar-se por ele uma mulher mortal.
Outras lendas ressaltam a figura do pinheiro, embaixo do qual se encontrava quando se castrou ou foi castrado por uma foice.
Está claro, que todas essas lendas e imagens diferentes apontam um culto muito antigo, em que cada lugar teria sua própria versão do mito.
Nelas, ele é descrito usando: um gorro frigio pontiagudo, uma camisa solta, as vezes aberta, de forma a deixar a barriga descoberta, um manto ou uma calça folgada.
Pode cavalgar sobre o carneiro ou conduzir um carro tirado pelos carneiros.
Toca um sino ou uma flauta de sete tubos.
Raios de Sol, espigas de trigo ou frutas surgem de seu gorro, proclamando-o um deus solar e deus da regeneração.
Em seus rituais o chamavam "o talo do cereal" ou "a espiga de trigo" e seus símbolos era a pinha e a rom
ã.
Era o senhor do gado, das ovelhas e das plantas.
Está relacionado também com Eón, o deus do tempo, e com os deuses Dionisio e Orfeu.
A relação entre Cibeles e Atis confirma uma vez mais a imagem do matrimônio sagrado entre a Deusa e o Deus, ou entre a Deusa e o rei, que antigamente personificava ao Deus do ano, que era sacrificado e desmembrado, real ou simuladamente, durante o ritual primaveril de fertilidade.
Em Roma, os Mistérios de Atis se celebravam de 15 a 29 de março, enquanto que os de Cibeles tinham lugar em abril.
Em 15 de março se levavam juncos cortados em procisão pela cidade, talvez para recordar os juncos do rio Gallus em Frigia, onde, segundo uma lenda, Atis foi encontrado menino e criado por pastores.
Originalmente, o próprio Atis se havia encarnado em juncos.
Em 22 de março se cortava um pinheiro dos muitos que cresciam no arvoredo sagrado perto do templo de Cibeles.
Era então decorado com tiras e violetas, porque se dizia que dessa flor brotava o sangue do deus.
O pinheir
o, de folha perene, simbolizava a vida eterna.
Dessa forma se chorava a Atis, deus da vegetação morto e ressuscitado.
Em 24 de março, o dia do sangue, o dia da lamentação pela morte de Atis se celebrava o "taurobolium", o sacrifício do touro, e suas genitais eram oferecidas à Deusa.
Nesse dia os sacerdotes se flagelavam, roçando o altar e a efígie de Atis com seu sangue, e os devotos se castravam.
Esses ritos representavam o desmembramento do deus, força vital da terra; dito desmembramento era encenado de maneira parecida com os rituais dionisíacos e órficos, e muito provavelmente também nos rituais cananeus detestados pelos profetas.
Se colocava a Atis em sua tumba na véspera de 25 de março, quatro dias depois do equinócio da primavera (HN), ao acabar um período de jejum e abstinência de 9 dias.
Se celebrava uma vigília que durava toda a noite "sagrada", até de manhã, que o sumo sacerdote saudava com essas palavras:
-"Sintam-s
e animados, novícios, por que o deus está salvo. A libertação de sua aflição também chega até nós".
Nesse dia s
e iniciava a festa da Hilaria, a Festa da Alegria, que celebrava o retorno de Atis de entre os mortos.
Para o povo, Hilaria era um dia de carnaval, festejos, bebida e libertinagem generalizada.
O último dia da festa era o descanso, e a efígie da Deusa, as vasilhas sagradas e os instrumentos ritualísticos eram levados ao rio para serem lavados em uma cerimônia

chamada "Lavatio".

Dia de Rhea
Na mitologia grega, Rhea foi a mãe de Zeus e irmã de Kronos, considerada como uma das mais influentes deusas em Creta, Arcadia e Phrygia.
Mãe dos deuses gregos, filha de Gaia e Urano, esposa de Kronos, reverenciada nas ilhas gregas, assimilada pelos romanos no culto de Bona Dea e Ops.
A velha senhora toca seu pandeiro enquanto observa o jovem Dionísio dançar entre os sátiros. Ela sorri pelo neto, que finalmente tem paz em sua vida, e suspira pelo calor e suor em seu rosto. Rhea Cybele se afasta, discretamente, do círculo de bacantes e senta-se numa pedra.
Estica pernas, pousa o pandeiro no chão e ajeita a coroa de torres.
A deusa descansa, deixando a saia de babados cair sobre o colo.
A dama pensa em todas as pradarias e campos pelo qual seu garoto andou, em todas as formas de loucura que o acometeram até que retornasse à Creta e que, pelas mãos preocupadas de Zeus, fosse entregue aos seus cuidados.
Se Rhea fosse mortal, não estaria tão bela a essa altura da vida.
Mas os deuses são assim, não morrem jamais.
Seu cabelo ainda é negro e grosso, seus seios ainda são firmes, sua pele é branca como leite de leoa.
Mas Rhea tem, na mente e no coração, toda a sabedoria que só as deusas mais antigas, aquelas que já viram quase tudo, podem carregar.
Por isso, e por ser muito parecida com o neto, a Grande Mãe foi a única que conseguiu curar o menino Dionísio da loucura de Hera.
A deusa coloca o pandeiro no chão, estica as mãos e ajeita as serpentes que se enroscam por sua roupa.
As cobras sempre a fazem lembrar da criança serpente, a mãe de Dionísio, a jovem Perséfone.
A deusa puxa pela memória a época do ano e percebe que, em breve, ela retornará para o marido no Mundo dos Mortos.
Quando esse tempo chega, a senhora deixa Dionísio mais uma vez aos cuidados de Sileno e parte para acompanhar a filha, Deméter, em seu período de reclusão.
Engraçado, pensa a deusa, que mesmo com os filhos no comando do Olimpo, ela cuida da maior parte deles e de suas vidas, como se fosse sua própria vida.
Como se fosse parte integrante e essencial desse mundo do alto.
Mas Ela sabe que não é.
A Senhora das Criaturas Selvagens sabe que seu lugar é na terra, junto das serpentes.
Não na distância sofisticada do Monte Olimpo.
Ela sobe, de tempos em tempos, para agradar seus filhos, para ver suas crias e dividir-se entre netos e bisnetos.
Mas ela gosta da terra fria e do barulho dos sátiros, da flauta de Pan e de acompanhar Dionísio em suas andanças pelo mundo.
Ela gosta de tocar o pandeiro e de se exaurir em dança, coisa que seus filhos não entendem e não fazem.
Mas, por ora, a deusa esquece de suas funções como mãe dos olimpianos e retorna ao cortejo do neto.
De azul e branco, coroada de torres e com serpentes pelos braços e cinturas, Rhea Cybele é, mais uma vez, a senhora do êxtase, dos castrati, da concepção e da terra.
Por ora, ela dança, com pandeiro e passos labirínticos.
E se exaure na loucura – agora saudável – do neto Duas Vezes Nascido.

Crédito da imagem: Cybele, de Sandra M. Staton - Postado por MagnaMater no blog: http://matermagna.blogspot.com


14 de Março - Calendário Mágico



Dia de Ua-Zit,ou Uadijit, a deusa serpente egípcia

Diasia, celebração da Grande Deusa Serpente Ua Zit ou Uadjit, do Egito antigo.
Os antigos egípcios têm a imagem de uma serpente como o hieroglífico para a palavra Deusa, e a serpente era conhecida como o Olho.
Ua Zit é um símbolo da revelação e sabedoria místicas.
A Deusa serpente conhecida como Ua Zit era a divindade feminina do Baixo Egipto (norte) nos tempos pré-dinásticos.
Mais tarde tanto a Deusa Hathor como Maat eram ainda conhecidas como o Olho.
A uréu, uma serpente erecta, é freqüentemente encontrada ornando as testas da realeza egípcia.
Além disso, erguia-se na cidade egípcia de Per Uto um santuário profético – possivelmente na localização de um santuário anterior dedicado à Deusa Ua Zit – que os gregos conheciam por Buto, o nome grego para a própria Deusa serpente.
Durante essa celebração oficiavam-se rituais de exorcismo, purificação e expiação, oferecendo grãos de cevada para a Deusa e usando-se de defumações para afastar doenças.
Chame a Deusa para afastar infortúnios, melhorar seus recursos e dar-lhe equilíbrio e sabedoria necessárias para saber usar potencialidades.
 

Celebrações antigas para o Ano Novo em Ghana com danças e rituais para afastar os maus espíritos e honrar as ancestrais.

Está é uma data propícia para fazer um ritual pessoal para afastar a pobreza, a doença e os infortúnios.

Defume sua casa com incenso de mirra e benjoim.

Acenda uma vela verde untada com essência de hortelã e 
Tome um banho de purificação com sal grosso, vinagre de maçã e a essência de seu signo. 
Visualize suas dificuldades financeiras e as soluções para resolvê-las. 
Invoque o poder transmutador da Grande Deusa Serpente para afastar os infortúnios, melhorar seus recursos e dar-lhe o equilíbrio e a sabedoria necessários para usar bem seu orçamento.

copiado de Teia de Thea

13 de Março - Calendário Mágico

O 13º dia do 3º mês é considerado o mais afortunado do ano para todos os Bruxos (especialmente se cair numa 6ª feira), já que treze é um número associado ao tradicional Coven dos bruxos e 13 é um número mágico poderoso.

Em Luxemburgo, um festival pagão dp fogo conhecido como Burgsonndeg é celebrado para dar as boas vindas à Primavera (Hemisfério Norte) e ao renascimento do Sol.

Holi, antigo festival hindu dedicado à deusa do fogo Holika, celebrado com fogueiras de purificação e rituais de fertilidade.
Atualmente, as celebrações são mais joviais e divertidas.
Na véspera, fogueiras são acesas para livrar as pessoas e os ambientes dos espíritos maléficos.
No dia da festa, as pessoas se salpicam com pós coloridos e as crianças esguicham jatos de água com guache.
Reencena-se, assim, a lenda das brincadeiras de Khrishna, despejando água colorida sobre sua amada Radha, no dia de Holi.

Em Luxemburgo, celebra-se o retorno do Sol, simbolizando o começo da primavera, com fogueiras, danças e muita festa.
Agenda Mágica da Blessed

Dia de purificação em Bali, combatendo a ação de Yami, o deus da morte.

Comemoração da deusa chinesa do céu e da luz Ch´un Ti.
Antiga deusa do dia e da alvorada, Ch`un Ti (ou Jun Ti) era representada com oito braços, um deles segurando o Sol e outro a Lua, às vezes com três cabeças.
Na tradição do Budismo tântrico, ela aparece como uma deusa guerreira, com dezesseis ou dezoito braços, segurando várias armas (espada, lança, arco e flechas), um raio, um rosário, uma flor de lótus e um vaso com água.

copiado de Teia de Thea

12 de Março - Calendário Mágico


Festa Babilônica de Marduk

Marduk é associado às tempestades e aos raios, e suas armas são o arco e a flecha.
Ele é também descrito como um grande mago, capaz de fazer com que as coisas apareçam e desapareçam.
Por isso, ele é escolhido pelos outros deuses como seu líder, para livrá-los do poder de Tiamat.
Marduk luta contra Tiamat, a deusa das águas e das trevas, que é representada às vezes por um dragão.
Ele a mata e corta em dois pedaços.
O pedaço de cima se torna o céu, e o de baixo se torna a terra.
Anu se torna o deus celeste, e Enlil se torna a deusa da terra.
É após a destruição de Tiamat que surgem os astros luminosos.
Algumas vezes a criação das estrelas é descrita como sendo realizada por Marduk, outras vezes como realizada pelos deuses das várias regiões em que o universo ficou dividido:
No tempo em que Anu, Enlil e Éa, os grandes deuses, criaram o céu e a terra, eles quiseram tornar visíveis os signos, fixaram as estações e estabeleceram a posição dos astros, deram nomes às estrelas e lhes atribuíram as trajetórias, desenharam, à sua própria imagem, as estrelas em constelações, mediram a duração do dia e da noite criaram o mês e o ano traçaram a rota da Lua e do Sol.

Assim, eles tomaram suas decisões sobre o céu e a terra. ...

Eles confiaram aos grandes deuses a produção do dia e a renovação do mês, para as observações astrológicas dos homens.

Viu-se então o Sol se levantar e os astros brilharem para sempre em pleno céu.
O mito descreve também as outras fases de criação do universo, até a produção dos homens.
Segundo uma versão, Marduk é aconselhado por seu pai Ea a criar os homens com a finalidade de adorarem os deuses.
Marduk, então, mata um dragão (Kingu) e faz os homens a partir de seu sangue.
Em outra versão, é a deusa Aruru que faz os homens a partir da argila.
É interessante notar as semelhanças e diferenças entre os diversos mitos de criação.
Há aspectos que se repetem em culturas muito diferentes, como a produção dos homens a partir do barro ou argila; e outros que parecem originais.



Celebração de Belit Ilani, a “Estrela do Desejo” da Babilônia, amante de vários deuses e padroeira da procriação e da geração.
É necessário fazer uma distinção entre outras deusas de nomes similares, como Belili, a deusa suméria da lua, da água e da sexualidade, equivalente à Ishtar e chamada de Beltis na Fenícia; Belit, a Deusa Mãe assíria, consorte dos deuses Bel, Enlil, Marduk ou Ashur;
Beltis, a deusa do amor e da sexualidade da Fenícia, Caldéia e Babilônia, homenageada com rituais orgásticos e equiparada à Astarte e Ishtar e Belit Seri, a senhora do mundo subterrâneo da Mesopotâmia e da Babilônia.

Belit Ilani ou Belit Ile, certas vezes era representada como uma mulher, segurando com seu braço esquerdo uma criança mamando enquanto que, com sua mão direita, a abençoava.
Algumas fontes a consideram um dos atributos da deusa Astarte ou Ninlil.

Comemoração do martírio de Hypatia, “A Divina Pagã”.
Famosa filósofa e matemática, Hypatia foi assassinada na Alexandria, em torno de 400 d.C, por fanáticos cristãos enfurecidos com sua sabedoria, considerada exagerada para uma mulher e desafiadora para a sociedade.

copiado de Teia de Thea

11 de Março - Calendário Mágico


Nesta data em 1314, Jacques de Molay, o último Grande Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, foi queimado vivo num poste.
Pouco antes de morrer previu com precisão a morte do rei Felipe IV da França no prazo de um ano e a morte do Papa Clemente V dentro de 40 dias.



Celebração da deusa grega Hypatia, uma das Musas que regia a arte, a ciência e a criatividade.
Era venerada no templo de Delphi juntamente com suas irmãs Mese e Nete, cujos nomes significavam “uma das três cordas da lira”.
De acordo com o local de seus cultos, o número de Musas variava:
eram três em Delphi e no Monte Helicon, sete em Parnaso e nove em Atenas, embora elas conferissem sempre seus talentos e habilidades aos homens.

Dia de Hércules, o herói e semideus romano, o símbolo da coragem e da força física.
Um mito antigo relata uma luta entre Hércules e Hyppolyta, a linda rainha Amazonas.
Filha do deus Ares, ela usava o cinto de ouro, sinal de sua soberania e poder.
Os guerreiros gregos cobiçavam esse tesouro e foram em busca dele, liderados por Hércules, que foi desafiado por Hippolyta para uma luta.
O desfecho dessa batalha é relatado de forma confusa e contraditória, dependendo da fonte.
A versão patriarcal descreve a vitória de Hércules com a prisão e morte de Hippolyta.

Aproveite a data para avaliar de que maneira você pode aumentar sua força, usando sua coragem para mudar a si própria e a sua vida.

Invoque, depois, as Musas, pedindo-lhes que a ajudem a desenvolver suas habilidades inatas e seu potencial criativo ainda não manifestado.
Invoque também Hippolyta para que ela a oriente na maneira de lutar e vencer, sem medo de oposições ou humilhações.

copiado de Teia de Thea

09 de Março - Calendário Mágico

Festival da Lanterna de Manteiga

Realizado pelos monges budistas do Tibete para expulsar a força dos demônios e para assegurar o favor dos deuses.
Esculturas de heróis budistas, feitas de manteiga de iaque, são carregadas pelas ruas enquanto cânticos sagrados são entoados.
Depois da procissão, as esculturas são jogadas nas águas de um rio.

08 de Março - Calendário Mágico

Dia da Mãe-Terra

O dia da Mãe-Terra, um festival que homenageia o aniversário da Terra como Deusa-Mãe, é celebrado anualmente neste dia em toda a China.
O festival consiste de desfiles nas rua, queima de fogos de artifício, banquetes e festas.
"Presentes de aniversário" - moedas, flores, incenso, bonecas de papel, são abençoados, colocados em pequenos buracos no chão e coberos com terra.

07 de Março - Calendário Mágico


1° dia do Festival de Cait Sith

Segundo uma tradição galesa, de tempos em tempos Cait Sith, um gato mágico do mundo das fadas, nos visita. Deixe um pires com leite na porta de sua casa durante os 2 dias desse festival para atrair a simpatia deste gatinho que lhe trará muito boa sorte.

06 de Março - Calendário Mágico

Dia de Marte

Dia de homenagear o deus da guerra e da agricultura.
Acenda um incenso de patchouli diante de uma vela vermelha e de uma miniatura de espada.
Peça a Marte para lhe dar coragem e força para realizar as suas metas.
Passe a espada na chama da vela e no incenso por 3 vezes e deixe-a entre os dois até ambos se apagarem.
Se a vela queimar até o fim, carregue a espadinha com você como um poderoso amuleto de força.

05 de Março - Calendário Mágico

Celebração de Ísis pelos Navegantes

A Deusa Egípcia Isis é honrada nesta data com o Navigum Isidis, ritual de benção e purificação dos barcos, para pescas fartas, assim como os barcos funebres para as viagems ao além.
Neste dia, os marinheiros e navegantes do Egito costumavam pedir orientação à Ísis em suas viagens e agradecer a deusa pela ajuda.
Hoje, peça a Ísis a orientação sobre algum assunto que o preocupa.
Faça seu pedido acendendo um incenso de lótus ou mirra.

04 de Março - Calendário Mágico

Neste dia , na Irlanda e país de Gales, muitos celebram a festa de Rhiannon, a Deusa-Mãe celta/galesa.

Oração à Rhiannon

CANTEM OS PÁSSAROS DE OURO.
TRAGAM ESPERANÇAS PARA AS ALMAS OCUPADAS.
CANTO EM HONRA A RHIANNON,
GRANDE RAINHA, DEUSA DO CAVALO.
QUE MINHA CARGA SEJA LEVE.
AJUDE-ME EM MINHAS AFLIÇÕES.
ONDE POSSA HAVER DÚVIDA,
SEMEIE A VERDADE.
FAÇA COM QUE A CRISE
ENCONTRE O SEU FIM.
DIRIJA TODOS PASSOS DE NOSSA VIDA,
MÃE DA FERTILIDADE E DA MORTE,
NOS TRAGA A PAZ.
QUE ESTA CANÇÃO LHE SEJA DOCE.
CONFORTE MINHA ALMA,

QUE MINHA PENA SEJA BREVE
E QUE MEU CORAÇÃO PERMANEÇA INTEIRO.


A Deusa-cavalo galesa do Inferno, Rigatona ou Ringatona (Itália), Epona (Gália), Bubona (Escócia), Grande Deusa Branca eram alguns dos nomes originais de Rhiannon.
É também conhecida como a deusa dos pássaros, dos encantamentos, da fertilidade e do submundo.
Ela se identifica com a noite, a emoção, o sangue, a lua, o drama.

Rhiannon é a donzela saída do inframundo neste aspecto, relaciona-se com a deusa Perséfone.
Sua iconografia vincula-se ao simbolismo eqüino.
Andava em um cavalo branco, vestida com um manto de penas de cisnes, sempre acompanhada por seus pássaros mágicos.
Ela é venerada na Irlanda, no País de Gales, na Gália (Epona), mas também aparece na Iugoslávia, África do Norte e Roma.
Algumas imagens de Rhiannon, onde ela se apresenta com cestas de frutos e flores, nos remetem ao simbolismo da fertilidade e abundância da terra.
Parece que realmente sempre houve sua associação com as Deusas-Mães.

Há muitas histórias sobre Rhiannon.
A história contada a seguir é uma entre tantas.

Rhiannon era uma deusa galesa da morte, filha de Hefaidd, Senhor do Outro Mundo.
Vivia sempre acompanhada por três pássaros mágicos, que podiam encantar os vivos e acordar os mortos.

Rhiannon, por possuir rara beleza, tinha muitos pretendentes, incluindo Pwyll, um mortal, que era rei de Dyfed, assim como Gwalw, um deus de menor importância, filho de Clud.
Gwalw, havia lhe proposto uma união, mas seu desejo foi casar-se com Pwyll.
Ao ter conhecimento do desprezo de Rhiannon por Gwalw e sua união com Pwyll, seu pai lançou-lhe uma maldição, tornando-a estéril.
Ela desgraçadamente não podia ser mãe.
Os amigos de Pwyll tentaram então, a convencê-lo a tomar outra esposa, desde que Rhiannon era estéril e não poderia lhe dar um herdeiro.
Mas o rei recusou, pois alegou amar sua esposa.

Rhiannon, desesperada, utiliza-se da magia para conseguir engravidar e deu a luz a um filho, o herdeiro para o rei.
Mas pouco depois do nascimento, o menino é raptado.
As donzelas responsáveis por cuidar dele, com medo de serem acusadas pelo seu desaparecimento, mataram alguns pássaros, esfregaram o sangue dos animais no rosto e nas vestes de Rhiannon, acusando-a de ter devorado o filho.
Foi quando Pwyll estabeleceu um castigo para o seu alegado crime, transformou-a simbolicamente em um cavalo e deveria carregar todos os hóspedes do marido nas costas.

Decorridos sete anos, o deus Teyrnon encontrou um menino, que imediatamente reconheceu como filho de Pwyll e Rhiannon.
Transportou-o de volta ao seio da família, que acabou por descobrir que o seqüestrador tinha sido Gwalw, que agira desta forma para vingar-se.

Esta lenda nos demonstra que, muito embora Rhiannon tenha passado por dificuldades e sofrimentos, separação e perda e mesmo depois de ter sido acusada e castigada injustamente, não perdeu sua dignidade e honra.
Ela nos revela neste episódio a sua grandeza interior, não tão somente como uma grande deusa, mas como uma fortaleza de mulher.

Rhiannon, representa a Mãe da Consolação, que dedica-se e ama às crianças.
Podemos identificá-la nas mulheres do nosso dia-a-dia.
São na maioria mulheres fortes e lutadoras, como também sobreviventes da violência doméstica.

Esta deusa é também o arquétipo da Senhora Godiva, uma mulher que monta nua coberta somente com um véu um cavalo branco.
Rhiannon dos pássaros, da égua branca do mar é a deusa donzela do amor sexual.
Ela é virgem significando que é completa em si.
A "Donzela" é a face mais jovem da deusa, relacionado com os descobrimentos e aspectos mais criativos da nossa personalidade.
É pura inocência e despreocupação, é alegria de viver.
Se associa também com a primavera que celebramos durante o Festival de Ostara.

Fonte: Avallonlist

03 de Março - Calendário Mágico

Dia de Aegir

Deus teutônico dos mares, têm o poder de levar embora de nossas vidas tudo o que é ruim. Escreva em uma folha de papel virgem, todos os problemas e sentimentos negativos que quer eliminar de sua vida.
Faça um barquinho e coloque-o em água corrente, pedindo a Aegir que leve as coisas ruins embora.

“Suplicamos clemência ao senhor dos mares para que ele nos permita chegar, sãos e salvos, nos oceanos e na vida, aos nossos destinos”,

Aegir foi criado por Odim com a incumbência de criar o mar e a vida marinha, o que inclui peixes, nagas e reptantes.
Acredita-se que ele habite as profundezas dos mares, aonde decide o destino dos marinheiros e pescadores.
É geralmente representado como uma naga gigantesca, mas também existem imagens suas como um humano forte e barbudo.
Nos dois casos, está sempre segurando um tridente.
É um dos Vanir, isto é, um dos deuses do elemento líquido ligado a natureza.
Ele era ao mesmo tempo cultuado e temido pelos marinheiros, pois estes acreditavam que Aegir aparecia de vez em quando na superfície para tomar a carga, homens e navios com ele para seu salão no fundo do oceano.
Por isso eram feitos sacríficios para apaziguá-los, muitas vezes sendo sacrificados prisioneiros antes de se começar a velejar.
Aegir também é conhecido pelo entretenimento generoso que ele providenciava aos outros deuses.
Sua esposa era a deusa Ran com quem ele teve nove filhas (as donzelas das ondas), que vestiam mantos e véus brancos.
.

01 de Março - Calendário Mágico

Matronália

Como protetora da família, Hera (Grécia, ou Juno Lucina-Roma) pode ajudar a trazer alegria e felicidade para a sua família.
Ofereça a ela um ramalhete de flores em um vaso que deve ser amarrado com uma fita amarela.
Dizem que assim a Deusa traz harmonia e alegria para a família.

Juno, na mitologia romana, era a principal deusa e a contrapartida feminina de Júpiter, seu irmão e marido. Com Júpiter e Minerva, formava a tríade capitolina de divindades difundidas pelos reis etruscos, cujo templo se erguia no Capitólio, em Roma. Recebeu vários epítetos, segundo os papéis que desempenhava, como, por exemplo: Juno Iterduca, que conduzia a noiva à nova casa; Juno Lucina, a deusa do parto, que auxiliava o nascimento das crianças; Juno Natalis, que presidia o nascimento de cada mulher; e Juno Matronalis, que protegia a mulher casada. Tornou-se um anjo da guarda feminino - assim como todo homem possuía seu "gênio", toda mulher tinha sua "juno". Sua festa principal era a Matronália, celebrada em 1º de março, data em que mulheres casadas se reuniam e levavam oferendas ao templo de Juno Lucina.

Sou uma bruxa porque...


Sempre que abro os olhos ao despertar,
me emociono por mais um dia para viver,
livre e comprometida com as coisas e as causas da Grande Mãe.

Neste momento procuro refletir a respeito dos tantos dias que nos foram tirados,
por inveja, injúria e cobiça e peço luzes e força a Deusa Mãe para o dia de hoje.

Sou uma bruxa porque
ao abrir as janelas e respirar o ar da manhã, agradeço a Deusa pelo dom da vida,
e celebro o pai ar pela sua presença em mim.

Sou uma bruxa porque
ao me alimentar, celebro aquele bendito alimento e bendigo todos aqueles que
contribuíram com seu trabalho para que o mesmo chegasse a minha mesa.

Sou uma bruxa porque
sempre de alguma forma renasce o amor em mim, e minha alma agradecida transmite luz.

Sou uma bruxa porque
sempre me envolvo e me comprometo a serviço da justiça e da paz no mundo.

Sou uma bruxa porque
estou sempre insistindo em abrir as portas do meu coração
para transmitir os ensinamentos dos antigos
e facilitar o despertar da grande arte nos corações dos que me cercam.

Sou uma bruxa porque
estou sempre acendendo um fósforo sem maldizer a escuridão.

Sou uma bruxa porque
busco a verdade sem jamais me conformar com a mentira e o subterfúgio.

Sou uma bruxa sempre
que renuncio ao egoísmo e procuro ser generosa.

Sou uma bruxa
quando sorrio para alguém, mesmo estando muito cansada, pois conheço o valor do sorriso.

Sou uma bruxa
quando preparo um chá que vai curar,
ou pelo menos amenizar a enxaqueca daquela vizinha chata.

Sou uma bruxa
quando tomo um animal em meu colo para lhe amenizar a dor.
Quando planto e colho uma erva e agradeço a Gaia por tamanha dádiva.

Sou uma bruxa
quando persigo a luz de uma estrela com o olhar e o coração nas trevas que nos circundam.
Quando levo a fé nos Deuses por entre linhas, apenas com minhas ações.

Sou uma bruxa
quando em rijo, sinto o rio do sangue da vida que escoa nas minhas entranhas.
Quando sou fogo que estimula o coito, e água que transforma e modifica cursos.

Sou uma bruxa porque
me aconchego no seio sagrado da terra, voltando ao colo sagrado.
Quando abro o circulo invocando os ventos do norte,
buscando no canal dos antigos o néctar do renascer.

Sou uma bruxa porque
quando falo em liberdade me sinto águia.
Quando falo de sabedoria me sinto coruja e
quando falo do belo me sinto arara.

Sou uma bruxa porque
estou sempre atenta ao perfume, que não posso derramar no próximo
sem que também me atinja e a lei tríplice se faz em mim.

Sou uma bruxa
quando vivencio o sabor do pão partilhado.
Quando procuro pedir perdão e recomeçar.

Sou uma bruxa quando
me recolho ao silêncio perante um julgamento preconceituoso ou injusto a meu respeito,
entrego ao tempo, único polo óptico da verdade imutável.

Sou bruxa
quando desenvolvo em meu ser a humildade de viver e morrer como o grão de trigo,
para depois frutificar searas de luz, de tenacidade e esplendor.

Sou uma bruxa porque
estou sempre ressurgindo das cinzas como Fênix.
E assim, retomar a minha vivência concreta,
cujo itinerário principal é a minha Deusa interior, forte, guerreira, translúcida, serena e amorosa a despertar em mim.

Por tudo isso sou uma bruxa!

Por Graça Lúcia Azevedo/Suma Sacerdotisa do Templo Casa Telucama